Discurso durante a 141ª Sessão Deliberativa Ordinária, no Senado Federal

- Homenagem póstuma ao ex-Senador, ex-Ministro e ex-Governador do Paraná, Sr. Ney Braga.

Autor
Edison Lobão (PFL - Partido da Frente Liberal/MA)
Nome completo: Edison Lobão
Casa
Senado Federal
Tipo
Discurso
Resumo por assunto
HOMENAGEM.:
  • - Homenagem póstuma ao ex-Senador, ex-Ministro e ex-Governador do Paraná, Sr. Ney Braga.
Publicação
Publicação no DSF de 25/10/2000 - Página 20973
Assunto
Outros > HOMENAGEM.
Indexação
  • HOMENAGEM POSTUMA, NEY BRAGA, EX SENADOR, EX MINISTRO DE ESTADO, EX GOVERNADOR, ESTADO DO PARANA (PR).
  • TRANSCRIÇÃO, ANAIS DO SENADO, ARTIGO DE IMPRENSA, JORNAL DO BRASIL, ESTADO DO RIO DE JANEIRO (RJ), AUTORIA, CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO, MINISTRO, SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA (STJ), HOMENAGEM, NEY BRAGA, EX SENADOR, ESTADO DO PARANA (PR).

  SENADO FEDERAL SF -

SECRETARIA-GERAL DA MESA

SUBSECRETARIA DE TAQUIGRAFIA 


O SR. EDISON LOBÃO (PFL - MA. Para uma comunicação. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Sras e Srs. Senadores, a morte de Ney Braga, ocorrida no último 16 de outubro, abala esta Casa. Nós, ao percorrermos os corredores deste Palácio do Congresso, ainda recebemos os eflúvios da sua presença amável e saudosa. Os parlamentares que com ele não conviveram naturalmente ignoram a grande contribuição que Ney Braga, como atuante membro da Comissão Diretora, ofereceu ao aprimoramento dos nossos trabalhos, influindo à época com suas idéias e opiniões nas importantes reformulações do Regimento Interno e do Regulamento Administrativo desta Casa.

Pessoalmente, sinto-me privilegiado por ter merecido a ampla convivência com Ney Braga. Ainda exercendo o jornalismo, encontrei no político paranaense - então Deputado Federal, depois de ter sido o primeiro Prefeito eleito de Curitiba (em 1954) e, em seguida, Governador do seu Estado, Ministro da Agricultura, Senador e novamente Governador do Paraná - uma das mais eminentes figuras da política brasileira. Homem probo, fiel e coerente com suas convicções tradicionalmente vinculadas à democracia cristã, Ney Braga harmonizava a energia das suas atuações com a lhaneza no trato com que seduzia os que dele se aproximavam.

Ney Braga, como é sabido e reconhecido por todos os paranaenses, foi o grande responsável pela modernização do seu Estado a partir dos anos 60. A Rodovia do Café, que liga Curitiba a Londrina, a construção de hidrelétricas e a reforma agrária que, em seu Estado, regularizou as atividades rurais de 400 mil pequenos agricultores, são os principais marcos do êxito das suas administrações.

            Um incentivador da cultura, estendeu para o âmbito nacional, quando Ministro da Educação e Cultura, os estímulos oferecidos a esse setor da vida brasileira: o idealizador do crédito educativo, instrumento da maior importância para amparar as jovens vocações brasileiras, foi o criador da Funarte e do Conselho Nacional de Direitos Autorais. Coube-lhe reformular a Embrafilme e estimular, ao seu tempo, o teatro, o cinema e as artes de uma maneira geral.

            A vida de Ney Braga, em suma, foi caracterizada pelo acendrado amor à causa pública.

            A imprensa brasileira tem dedicado a Ney Braga, muito justamente, extensos necrológios, para lembrar às gerações mais novas a figura de uma personalidade que honrou o nosso País e cuja memória deve ser preservada como modelo para os jovens que aspiram pelo desenvolvimento nacional.

            Do que se tem escrito sobre Ney Braga, Sr. Presidente, extraí do Jornal do Brasil, edição de 17 de outubro corrente, para incorporar a este meu pronunciamento, o artigo do Ministro Carlos Alberto Menezes Direito, do Superior Tribunal de Justiça, ex-assessor de S. Exª, que registra com comovente saudade os traços humanos de um homem que engrandeceu a política brasileira.

            Sr. Presidente, era o que tinha a dizer.

            Muito obrigado.

 

*****************************************************************************

DOCUMENTO A QUE SE REFERE O SR. SENADOR EDISON LOBÃO EM SEU PRONUNCIAMENTO.

**************************************************************************

 


C:\Arquivos de Programas\taquigrafia\macros\normal_teste.dot 6/16/248:34



Este texto não substitui o publicado no DSF de 25/10/2000 - Página 20973