Discurso durante a 104ª Sessão Deliberativa Ordinária, no Senado Federal

Relato da participação de S.Exa. e do candidato à Presidência da República José Serra, em reunião, ontem, em Uberaba, em que foram discutidas questões rurais.

Autor
Eduardo Azeredo (PSDB - Partido da Social Democracia Brasileira/MG)
Nome completo: Eduardo Brandão de Azeredo
Casa
Senado Federal
Tipo
Discurso
Resumo por assunto
POLITICA AGRICOLA. ELEIÇÕES.:
  • Relato da participação de S.Exa. e do candidato à Presidência da República José Serra, em reunião, ontem, em Uberaba, em que foram discutidas questões rurais.
Publicação
Publicação no DSF de 23/06/2010 - Página 30736
Assunto
Outros > POLITICA AGRICOLA. ELEIÇÕES.
Indexação
  • REGISTRO, PARTICIPAÇÃO, CANDIDATO, PARTIDO POLITICO, PARTIDO DA SOCIAL DEMOCRACIA BRASILEIRA (PSDB), PRESIDENCIA DA REPUBLICA, REUNIÃO, MUNICIPIO, UBERABA (MG), ESTADO DE MINAS GERAIS (MG), DEBATE, NECESSIDADE, VALORIZAÇÃO, ATIVIDADE RURAL, AGRICULTURA, PECUARIA, COMENTARIO, PROMESSA, PROGRAMA, CANDIDATURA, INCENTIVO, PROGRESSO, PRODUÇÃO.
  • CRITICA, CANDIDATO, PARTIDO POLITICO, PARTIDO DOS TRABALHADORES (PT), SUCESSÃO, PRESIDENCIA DA REPUBLICA, RECUSA, DEBATE, IMPORTANCIA, CONSCIENTIZAÇÃO, POPULAÇÃO, POSIÇÃO, REPRESENTANTE, CANDIDATURA, DISPUTA, ELEIÇÕES.
  • IMPORTANCIA, PECUARIA, AGRICULTURA, ECONOMIA, BRASIL, REGISTRO, SUPERIORIDADE, EXPORTAÇÃO, PRODUTO RURAL, OPINIÃO, ORADOR, POSSIBILIDADE, CONCILIAÇÃO, ATIVIDADE RURAL, PROTEÇÃO, MEIO AMBIENTE, DEFESA, DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL.

                          SENADO FEDERAL SF -

            SECRETARIA-GERAL DA MESA

            SUBSECRETARIA DE TAQUIGRAFIA 


            O SR. EDUARDO AZEREDO (PSDB - MG. Pronuncia o seguinte discurso. Sem revisão do orador.) - Muito obrigado, Senador Mão Santa, mas estamos no mesmo barco. Lá, em Minas, temos essa coisa de solidariedade, de estarmos no mesmo barco. Então, vamos caminhando, para buscar a vitória.

            O SR. PRESIDENTE (Mão Santa. PSC - PI) - V. Exª esqueceu até os artigos aqui, me lançando aqui… Se não der Minas, dá Piauí.

            O SR. EDUARDO AZEREDO (PSDB - MG) - Vou levar o artigo.

            Senador Mão Santa, Srs. Senadores, eu quero exatamente me referir a esta questão da agricultura, como bem lembrou aqui hoje a Senadora Kátia Abreu, a propósito da reunião que realizamos ontem em Uberaba, no Triângulo Mineiro.

            Uberaba é a Capital do Zebu, uma cidade realmente com uma grande tradição na pecuária, com uma genética extremamente avançada. Começou essa tradição com gado indiano. Depois, isso foi se aprimorando. Hoje, não só temos os grandes leilões que são realizados lá na época da exposição, mas, permanentemente, a Associação Brasileira de Criadores de Zebu realiza debates, discussões, eventos coletivos. Ontem, foi exatamente…

            O SR. PRESIDENTE (Mão Santa. PSC - PI) - ACZ, não é?

            O SR. EDUARDO AZEREDO (PSDB - MG) - ABCZ.

            Numa época, eu pude receber lá a visita do Presidente da Índia, que veio ao Brasil e quis conhecer essa Associação. Agora, já temos também novamente o intercâmbio de gado indiano puro para que se tenha o cruzamento. A nossa raça aqui está muito melhor que a indiana. O aprimoramento do zebu brasileiro fez com que a nossa raça seja muito melhor hoje.

            O SR. PRESIDENTE (Mão Santa. PSC - PI) - Um dia de glória do meu Governo no Piauí foi quando o empresário Lourival Parente ganhou um prêmio na ABCZ, mostrando o plantel de pecuária que tínhamos e que, infelizmente, o Partido dos Trabalhadores andou arrasando lá.

            O SR. EDUARDO AZEREDO (PSDB - MG) - Exatamente.

            Essa qualidade não é só para feiras, para ganhar prêmios; é qualidade para dar mais produtividade, para se criar um gado que tenha uma reprodução mais rápida, um crescimento mais rápido, uma carne para comercialização mais rápida. Por isso, essa carne acaba sendo uma grande riqueza.

            O Brasil tem, na exportação de carne bovina, também na suína, mas especialmente na bovina, um item muito forte da sua produção animal.

            Nesse evento ontem, com a presença do nosso candidato a Presidente da República José Serra, um dos pontos levantados foi exatamente este da necessidade de uma valorização permanente, de o que significa a pecuária, o que significa a agricultura para o Brasil. Nós sabemos bem, e foi lembrado por José Serra, que, já no inicio do Plano Real, o que garantiu que o Plano desse certo foi exatamente a área rural, foi a chamada âncora verde, na época, que possibilitou, até com sacrifício dos produtores rurais, dos produtores da pecuária, da área do café, que nós tivéssemos o sucesso na implantação daquele que foi o Plano que deu certo e que foi uma derradeira tentativa de estabilizar a inflação no Brasil.

            Tudo o que a gente tem de bom hoje não haveria se não fosse o fim da inflação; temos que estar sempre repetindo isto: se nós continuássemos com a inflação não teríamos nada de bom hoje, não é, Delcídio? O Senador Delcídio realmente sabe bem disto: tudo o que conseguimos de bom no Brasil foi porque conseguimos dominar a inflação. Se não tivéssemos dominado a inflação nós não teríamos realmente esse ciclo virtuoso que temos hoje, sim, um ciclo de sucesso e que vem nessa sequência de esforços que o Brasil fez.

            Então, nós temos esta perspectiva de crescimento permanente da agricultura, com a produtividade cada vez maior. E o meu Estado de Minas Gerais é o maior produtor de café do Brasil, fruto exatamente desse esforço dos nossos agricultores, das cooperativas.

            Lá estava também o Presidente da Cooxupé, que é, se não a maior cooperativa do Brasil, uma cooperativa especializada nessa área e tem também na exportação um ponto forte.

            Aliás, Senador Mão Santa, é importante lembrar, por exemplo, quando pensamos no comércio Brasil/China: o que estamos exportando para a China? Produtos animais, carne, produtos da agricultura, soja, produtos da terra, minério de ferro. Esses são pontos que fazem ainda a força da exportação brasileira. É evidente que a exportação hoje já é mais diversificada. Nós temos produtos de maior valor agregado também em vários pontos da nossa balança de pagamentos, da nossa balança comercial e, especialmente, para outros países aqui da América do Sul, países da África e mesmo para os Estados Unidos.

            É por isso que toda vez que a gente tem a discussão de algum embaixador na Comissão de Relações Exteriores, eu peço atenção para ver qual é o produto que o Brasil exporta, e lá está sempre presente a agricultura e a pecuária brasileira.

            Eu volto a insistir: os desafios são muitos. O principal deles é conseguir conciliar realmente essa questão e que é possível nós termos um crescimento da agricultura, da pecuária, sem problemas com o meio ambiente. Isso é possível. É possível fazer o crescimento sustentável. Eu, que sempre defendi a questão ambiental, evidentemente como criador que fui, em Minas Gerais, da Secretaria de Meio Ambiente do Estado - o Estado não tinha essa Secretaria -; mas criei o ICMS verde, o ICMS ecológico, eu tenho certeza de que o meio ambiente é uma questão que veio para valer, veio para entrar na consciência de todos os brasileiros. E ela está presente também na área rural. Só que precisamos de bom senso; não pode haver exagero de um lado, nem de outro. Não podemos ter uma atividade que seja predatória, mas também não podemos ter um excesso que acabe evitando que a produção possa exercer esse papel tão importante como exerce hoje no País, dando empregos inclusive.

            É muito importante este ponto que eu quero também lembrar: Quantos são os empregos gerados pela cadeia produtiva rural no Brasil! Quantos e quantos milhões de empregos são gerados! Nós temos hoje mais de 80% das pessoas morando nas cidades brasileiras. Entretanto, essa estatística acaba sendo um pouco mascarada, porque muitas pessoas que moravam na áreas rurais hoje moram nas cidades, mas trabalham nas áreas rurais. E se formos olhar o percentual que está realmente vivendo da produção agrícola, da produção pecuária, nós teremos certamente um percentual maior do que esses 20% que ainda moram nas áreas rurais, fora das cidades brasileiras. E isso é importante realçar, valorizar. Nós temos no homem do campo uma força efetiva. Nós temos na moderna agricultura brasileira uma mola propulsora do desenvolvimento do País. E o nosso Estado de Minas Gerais tem não só nessa rica região do Triângulo, onde está a cidade de Uberaba, mas, no Estado todo, polos da maior importância.

            Vejam que o café, Presidente Mão Santa, tem na verdade quatro regiões em Minas Gerais: o café do Cerrado, com alta produtividade, que é o mais recente; o café das Montanhas, mais na região do sul de Minas; o café da Zona da Mata e o café do Jequitinhonha. São quatro áreas específicas de Minas, em que temos café de alta qualidade, mantendo a primazia de Minas na produção brasileira do café.

            E, na área da pecuária, nós já perdemos um pouquinho para o Centro-Oeste, que tem um rebanho hoje um pouco maior do que o rebanho mineiro, mas nós mantivemos essa mesma qualidade, já que o zebu tanto significa para os avanços na produção bovina no Brasil.

            Quero, portanto, fazer o registro da importante participação de José Serra. Contamos também com a presença do Governador Antônio Anastasia, com a presença do Governador Aécio Neves e de tantas outras lideranças não só da ABCZ, mas também as lideranças políticas da região de Uberaba e da região do Triângulo Mineiro. Essa discussão das questões agrícolas, das questões rurais, com o futuro Presidente José Serra foi da maior importância.

            Serra pôde ouvir as demandas, pôde ouvir o que os produtores desejam, pôde ouvir e lembrar a importância do Pronaf, o Programa de Agricultura Familiar, que não foi implantado em 2003, não; já existia antes. Esse também é um programa que vem de antes. Ele pôde lembrar que essa fusão da agricultura familiar brasileira com a agricultura empresarial brasileira era plenamente possível. Uma não anula a outra. Nós temos que ter, portanto, esse encaminhamento geral no sentido de que o setor seja efetivamente valorizado. Nesse debate, José Serra se comprometeu a avançar como Presidente na produção, soube entender o que a área rural deseja e do que precisa - mais do que deseja, do que precisa. E assim nós temos uma perspectiva também positiva nessa área: quem sabe, debater; quem sabe, ouvir.

            Aliás, Senador Mão Santa, debater é um ponto importante para que os eleitores possam tomar uma decisão. E o que estamos vendo é que, até o momento, a candidata oficial não quer debater; ela tem fugido dos debates.

            Agora mesmo, a Senadora Kátia Abreu lembrava que, dos três candidatos convidados, ela não conseguiu a agenda para poder ir à CNA.

            O SR. PRESIDENTE (Mão Santa. PSC - PI) - No Piauí, ela também não foi a um encontro dos empreendedores jovens do Brasil. Foi muito feia a ausência dela.

            O SR. EDUARDO AZEREDO (PSDB - MG) - E é da maior importância. Se temos uma eleição disputada, uma eleição em que existe quase um empate, é importante que as pessoas possam ouvir o que os candidatos têm a dizer, a experiência de um, a experiência de outro, o que um diz de um assunto e o que um diz de outro, especialmente se puder ser um debate franco, que não seja apenas ouvir um e depois o outro. Nem isso ela está querendo. Não está querendo nem participar de um debate.

            O SR. PRESIDENTE (Mão Santa. PSC - PI) - O José Serra acaba ganhando por WO. Não existe aquele negócio de WO?

            O SR. EDUARDO AZEREDO (PSDB - MG) - É, WO.

            O SR. PRESIDENTE (Mão Santa. PSC - PI) - Ele vai acabar ganhando.

            O SR. EDUARDO AZEREDO (PSDB - MG) - É importante que não seja só... O debate em que estão os candidatos, cada um falando no seu momento, já é importante. Porém, mais importante ainda é o debate direto, quando os candidatos podem realmente se questionar e pode haver a réplica e a tréplica. É isso que dá aos eleitores a oportunidade de conhecerem um pouco mais os candidatos.

            Então, essa disposição de José Serra está presente. Quando esteve em Uberaba, ele demonstrou isso. Quando foi à CNI, ele demonstrou isso. Quando ele vai à CNA, demonstra novamente. Quando foi ao Piauí, ele demonstrou da mesma maneira que está pronto a discutir e a ouvir, o que é importante no processo político.

            Desse modo, Senador Mão Santa, agradeço a oportunidade de poder aqui me dirigir aos mineiros em especial, mas também a todos os brasileiros nessa linha da valorização da atividade agrícola, da pecuária, enfim, da atividade rural em todo o Brasil.

            Muito obrigado.


Modelo1 4/19/243:29



Este texto não substitui o publicado no DSF de 23/06/2010 - Página 30736