Autor
Papaléo Paes (PMDB - Movimento Democrático Brasileiro/AP)
Data
25/06/2003
Casa
Senado Federal 
Tipo
Pronunciamento 

O SR. PAPALÉO PAES (PMDB - AP. Pronuncia o seguinte discurso.) - Muito Obrigado.

Sr. Presidente, Srªs e Srs. Senadores, dentre os males que afligem e comprometem a saúde pública nos dias de hoje, a doença cardíaca figura como responsável direta por alguns dos mais elevados índices de mortalidade e incapacitação em todo o mundo. É claro que, no Brasil, as coisas não são diferentes; na realidade, reunimos um enorme contingente de pacientes com afecções do coração, e o enfarto do miocárdio responde por 8,16% dos óbitos registrados, constituindo-se em uma das mais importantes causas de morte no País.

Em função desse quadro, muitos cidadãos se vêem constrangidos a uma vida absolutamente regrada, submetidos à medicação de uso permanente e, em muitos casos, são encaminhados a procedimentos cirúrgicos altamente invasivos. Como sabemos, a doença cardíaca pode ter fundo hereditário ou adquirido, decorrente de hábitos equivocados, como o tabagismo e o sedentarismo, para citar os exemplos mais eloqüentes. De qualquer sorte, temos, no enfrentamento dos problemas cardiológicos, um custo individual, social e econômico considerável que, finalmente, é suportado por toda a sociedade.

Há 20 anos, a partir de convênio firmado com a Fundação Zerbini, o Incor -- Instituto do Coração, vinculado ao Hospital de Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - começou a firmar-se como um centro de excelência no trato das cardiopatias, no Brasil. Considerado hoje um dos hospitais mais modernos do mundo, o Incor mantém seu corpo clínico e suas equipes multiprofissionais em constante atualização, valendo-se de um arrojado programa de pesquisa, cujos resultados são também direcionados para o ensino, com benefício direto aos alunos de Medicina da Universidade de São Paulo. A cada ano, são promovidos mais de três centenas de programas de ensino e aperfeiçoamento, dirigidos à sua equipe de profissionais.

Srªs e Srs. Senadores, muito poderia ser dito, mas não é preciso insistir no caráter modelar dos serviços prestados pelo Incor, em São Paulo, uma referência nacional e internacional. Basta dizer que esta Casa, em conjunto com a Câmara dos Deputados, o Ministério da Defesa e a Fundação Zerbini, está viabilizando a implantação de um pólo cardiológico nas áreas clínica e cirúrgica e de diagnóstico por imagem na capital federal. Para esse fim, já está sendo alocado todo um pavimento do Hospital das Forças Armadas.

Trata-se de unidade com 41 leitos de internação e quatro salas cirúrgicas, além de uma Unidade de Terapia Intensiva com onze leitos cirúrgicos e dez leitos clínicos. A unidade deverá agregar também serviços de emergência, consultórios e leitos de observação, bem como ambulatório com 15 consultórios médicos e multiprofissionais e o mais moderno centro de diagnóstico por imagem.

Sr. Presidente, no dia 11 deste mês, tive a satisfação de visitar as instalações do Incor, em São Paulo, acompanhado por outros Colegas Senadores - e cito aqui os Senadores Mão Santa e Tião Viana. O que vimos e ouvimos foi de grande relevância para consolidar nossa convicção sobre a importância do Instituto do Coração para o Brasil. Tivemos a comprovação de que nosso País consegue fazer Medicina de ponta, transferindo à sociedade os benefícios que a Ciência e a Tecnologia contemporâneas proporcionam de mais avançado que existe em todo o Planeta.

Ao encerrar meu pronunciamento, quero ressaltar o importante papel desempenhado pelos atuais dirigentes do Incor, nas pessoas do seu Diretor-Geral, Professor Doutor José Antônio Franchini Ramires, e dos demais dirigentes daquela instituição, como o Professor Doutor Sérgio Almeida de Oliveira, Doutor Sérgio Timerman, Doutor Renato Corrêa Baena e Doutor David Uipd. Com seu talento, competência e dedicação exemplares, os doutores citados conduzem um trabalho de primeiríssima linha, respaldado por uma equipe multiprofissional superqualificada, que torna o Incor um paradigma para a cardiologia mundial e motivo de orgulho para todos os brasileiros.

Sr. Presidente, Sras e Srs. Senadores, muito obrigado.

<