Autor
Heráclito Fortes (DEM - Democratas/PI)
Data
06/04/2009
Casa
Senado Federal 
Tipo
Pronunciamento 

  SENADO FEDERAL SF -

SECRETARIA-GERAL DA MESA

SUBSECRETARIA DE TAQUIGRAFIA 


O SR. HERÁCLITO FORTES (DEM - PI. Pronuncia o seguinte discurso. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Srªs e Srs. Senadores, V. Exª, Senador Mão Santa, abordou, no seu pronunciamento nesta tarde, matéria do Diário do Povo sobre a situação calamitosa das estradas do Piauí, principalmente aquelas que deveriam servir para o escoamento da nossa produção agrícola.

O Piauí pede para crescer, mas o Governo atrapalha. As estradas recuperadas são recuperadas de maneira irresponsável. São os asfaltos chamados “alka-seltzer”, que não resistem à primeira chuva.

Em alerta feito pelo jornalista Zózimo Tavares, a perda é de 200 mil toneladas. As informações que me chegam são de que, se providências urgentes não forem tomadas, esse número tende a dobrar.

Mas, Senador Mão Santa, se estivesse nesta tribuna o ex-Deputado e jornalista Dioclécio Dantas, certamente diria que o que estamos vivendo é uma lástima.

Jornais de sábado, que circulam de maneira livre no Piauí, mostram um fato grave: “Tribunal de Contas da União suspende obras no Centro de Convenções de Teresina por indícios de irregularidades”. Aquele centro de convenções, construído na administração Dirceu Arcoverde e que passa por uma reforma... Vejam bem, é uma reforma! E o edital já teve de ser cancelado pelo Tribunal de Contas da União por corrupção, Sr. Presidente. É um absurdo!

O Governador já está lá encalacrado por problemas iguais. O gestor do Banco do Estado do Piauí está respondendo também no TCU por problemas administrativos. E, agora, vem aqui esta notícia de mais um fato escandaloso no nosso querido Piauí.

Não é possível, Sr. Presidente, que esses fatos ocorram de maneira sistemática. Aliás, V. Exª se lembra que, há três anos, o Governador disse que esse centro de convenções não prestava mais e que iria fazer no Piauí o melhor da América Latina. Para tanto, contratou um arquiteto da família Ohtake para fazer um projeto mirabolante. Ninguém sabe mais onde está esse projeto e o Governador faz uma meia-sola no existente.

O Piauí agora vive de meia-sola. No aeroporto de Teresina, ele promete fazer uma meia-sola na casa de passageiros, trazendo um projeto que não serviu para Macapá, capital do Amapá. No Centro de Convenções, ele promove uma meia-sola, e agora as obras estão suspensas por irregularidades graves, segundo matéria publicada na imprensa do Piauí.

Senador Mão Santa, eu queria saber de V. Exª: a empresa que ganhou esse certame chama-se Econ Eletricidade e Construções. V. Exª conhece essa empresa? Sabe que empresa é essa? Nós conhecemos, mais ou menos, as empresas do Piauí, as empresas de construção que têm tradição no Piauí. Parece que essa chegou lá de paraquedas. Essa história precisa ser apurada. Esses fatos precisam de investigação.

Mas o Piauí é só tristeza.

A revista Veja de hoje, na página 68, traz uma matéria muito interessante, cujo título é “Nos Trilhos do Avanço”, escrita por Benedito Sverberi - desculpe-me se não estou pronunciando corretamente, mas a Taquigrafia depois pode se socorrer aqui. Então, mostra o índice de desenvolvimento do Estado exatamente do ano de 2001 a 2007 e diz: “Na lanterninha aparece o Piauí, que teve avanço modesto nos sete anos abrangidos pelo estudo - de 2001 a 2007 -, período para o qual existem todos os dados necessários à análise”.

É uma análise muito bem feita e aqui traz o Indicador de Desenvolvimento Socioeconômico. O Piauí é o lanterninha, Sr. Presidente.

Na renda mensal per capita, o Piauí está entre os três últimos. De que o Governador pode se orgulhar por estar há sete anos à frente do Governo do Piauí?

Sr. Presidente, as promessas... E S. Exª não entende que o tempo está acabando e ele não pode mais viver de enganar o povo! No Piauí, transformou-se o dia 1º de abril, que é uma data festejada como o dia da mentira, em um 1º de abril de 365 dias ao ano. É inaceitável isso! S. Exª chega das viagens que faz anunciando contratos, anunciando milhões, e, na realidade, tudo não passa de falácia, de potoca. O Governador do Piauí vive de contar potoca. Não tem absolutamente nada, as estradas estão por acabar, as cinco hidrelétricas...

Senador Mão Santa, V. Exª assistiu aqui... Era Tiago o nome daquele cidadão que se submeteu aqui à sabatina da Antaq. Não existem cinco hidrelétricas em projeto e em construção; existe apenas em sonho, é uma quimera. Como também a questão do Porto de Luís Correia. S. Exª vem ao Senado da República e diz que não só o Porto será inaugurado, como vai elevar o calado para 14 ou 17 metros. Não tem noção do que esteja dizendo, não sabe S. Exª o que representa de gasto, de custo, uma escavação desse porte, nem o tempo que gasta. Parece que vive no mundo da lua. Nós estamos com o calado do Porto em 2,5 metros. Eram 4 metros no passado. Foi-se assoreando, assoreando, sem nenhuma providência - ele não tem culpa disso -, e hoje está em 2,5 metros. Se chegássemos a 7,5 metros...

         O Senador Suplicy, que é um admirador do litoral piauiense e vai lá para recitar poesias e versos com Auri Lessa, devia ajudar.

         Ajude o seu colega, Senador Suplicy. Agora, ele tem de parar de mentir. Outro dia, ele trouxe ao seu colega de representação, o Líder do partido - e ele não tem culpa disso, vou defender até o Mercadante -, e ele deu uma informação errada aqui no dia em que comemorávamos a Batalha do Jenipapo. Pois bem, botou o Mercadante para dizer que a estrada de Teresina a Luis Correia, asfaltada, foi obra do governo dele. Obra do Governo Alberto Silva, no período da revolução. A construção do Aeroporto de Parnaíba foi feita pelo João Paulo dos Reis Velloso.

Se ele dissesse: estou tentando uma ampliação do aeroporto, vamos lá! Mas, veja bem: anuncia que o Piauí terá dois aeroportos internacionais. Qual é o Estado do Nordeste que tem dois aeroportos internacionais, Senador Suplicy? Quando o Estado tem um na capital, ou numa cidade turisticamente importante, levanta as mãos para o céu. S. Exª, contando potoca, anuncia um para São Raimundo Nonato e outro para Parnaíba. Eu torço para que isso aconteça, só que nem sequer dar entrada num projeto, que aí é um organismo internacional que define, S. Exª fez. É uma brincadeira, Senador Mão Santa! É uma brincadeira!

Não é má pessoa. Agora, para governar, é um desastre! Participou, nesses sete anos de governo, de algumas campanhas - vamos dizer, três campanhas. Em todas elas, começou obras: estrada, hospitais... Tudo obra inacabada! A quantidade de obras iniciadas e prometidas por S. Exª para angariar simpatia e votos é de merecer uma CPI, uma investigação séria; é de dar cadeia, porque deu início a uma série de obras que estão por ser concluídas.

Aliás, tinha até uma patrulha mecanizada lá, na época da campanha, essas patrulhas para asfalto e para estrada, que era uma patrulha itinerante - acompanhava o Governador. O Governador ia para a cidade tal, a patrulha ia na frente, e ele anunciava o contrato para o asfalto. Em alguns casos, fazia um quilômetro, dois quilômetros, em obras de 60 quilômetros! É preciso o Governador tomar tento.

         Amanhã, eu estou preparado: ele pega uns ventríloquos para falar mal de mim, para me atacar, mas eu não me preocupo com isso, não. Eu tenho a consciência tranquila do que estou dizendo. Se o estiver caluniando, me processe. Abro mão de qualquer imunidade que eu por acaso possa ter. Eu quero é que mostre, eu quero é que mostre essas obras. E esses casos de corrupção... Esse negócio do centro de convenções é brincadeira, Senador Mão Santa!

Senador Mão Santa, o que o Governador fez com os funcionários do Banco do Estado é de uma desumanidade! Porque ele tem origem na área bancária, foi funcionário, é funcionário da Caixa Econômica. Até estão prometendo a ele, Senador Suplicy... Se fosse o Senador Mão Santa, diria: “Atentai bem”. Seu colega José Dirceu esteve em Teresina para convencê-lo a não ser candidato a Governador e disse que, se ele ficasse no comando, ele teria várias opções, inclusive ser Presidente da Caixa Econômica Federal. Isso não é aliciamento, não é compra de voto, não é corrupção eleitoral antecipada, não é nada. Veja a que ponto nós chegamos!

Já está prometido ao atual Governador do Piauí que, se ele ficar bonitinho no Governo, porque ele colocou lá uns camburões de seis, como candidato... Camburão de seis, quem joga dominó nas horas vagas sabe o que é: é aquela pedra mais difícil de passar. Para passar um camburão de seis é preciso sorte e habilidade. Pois ele tem lá um camburão de seis que não sai da pesquisa. São 4%, 5%, 6%. Então, ele tem de ficar até o fim tomando conta dos camburões. Se os camburões ganharem ou não - não sei, no contrato que eles fizeram entre eles, não sei, não quero nem entrar -, o Governador será premiado, e uma das possibilidades é ser Presidente da Caixa Econômica Federal. Evidentemente, se a Dilma ganhar.

É botar o ovo antes da hora, para ser bem explícito e todo mundo entender o que estamos querendo dizer. É uma irresponsabilidade, é uma brincadeira.

Agora, ele está anunciando um encontro, no Piauí, de arte rupestre. Foi a Portugal, com uma grande caravana, participar desse encontro. Os jornais de maior circulação nas terras portuguesas são O Público, Correio da Manhã e Diário de Notícia. Tragam-me uma linha desses jornais portugueses sobre a presença do Governador em Portugal para esse evento que eu quero que o Zezinho faça um chá, e vamos tomar o chá dessa notícia, Senador Mão Santa.

É uma brincadeira! É uma brincadeira de mau gosto, difícil de se aceitar. E somos acusados de não gostarmos do Piauí, de sermos inimigos do Piauí, de trabalharmos contra o Piauí, porque alertamos aqui para fatos dessa natureza.

O Senador Alberto Silva, outro dia, fez um artigo muito interessante, até respeitoso para com o Governador, mas abrindo os olhos para algumas possibilidades de investimento no Piauí e falando sobre a Barragem do Castelo. Essa barragem está prontinha há anos, só que está estocada na prateleira de uma empreiteira, com a concorrência já vencida. E o Governador não determina o cancelamento e a entrega a um grupo que realmente queira investir no Estado do Piauí. É uma construção de uma PCH, Senador Suplicy.

Aliás, aconselho a V. Exª, quando for ao Piauí - condições de transporte não lhe faltarão -, ir a essa região do Castelo para ver os cânions, a região. É uma região muito bonita. Essa barragem é barata porque já existe uma caixa formada pela natureza, através desses cânions, e, além da energia que irá produzir, nos dará também condições de melhorar e muito a navegabilidade do Rio Poty.

Sr. Presidente, finalizando, quero registrar aqui, com muita alegria, um evento de que participei na sexta-feira, em Teresina, e no qual V. Exª, Senador Mão Santa, nos deu a alegria da presença. Foi um encontro do Democratas, cujo objetivo era dar posse ao Deputado Federal José Maia Filho, o Mainha, como Presidente daquele partido. Tivemos a alegria de receber o Prefeito Gilberto Kassab; o Presidente de honra do Partido, Jorge Bornhausen; o Presidente Rodrigo Maia; o Líder Ronaldo Caiado. V. Exª se lembra de mais alguns nomes? Ajude-me, porque V. Exª, inclusive nos ajudou a receber... O Senador Hugo Napoleão... Aí, estou falando, primeiro, os de fora que chegaram. A Deputada do Tocantins Nilmar Ruiz, o Deputado Paulo Bornhausen. E esse encontro foi altamente construtivo, com presença do Prefeito de Teresina - o Senador Mão Santa já disse - deputados, vereadores e, acima de tudo, a militância.

Eu quero registrar, parabenizando o Deputado José Maia Filho, o Mainha, que foi o organizador do encontro. E dizer que tenho uma convicção de que, sob o seu comando, o partido irá crescer, irá se reencontrar com seus momentos de glória e, acima de tudo, dará início à preparação para as eleições de 2010.

Eu faço esse registro, Sr. Presidente, aproveitando a paciência de V. Exª, do Senador Suplicy e dos demais companheiros.

O SR. PRESIDENTE (Mão Santa. PMDB - PI) - Senador Heráclito Fortes, eu estava refletindo aí com V. Exª, com as ações do Tribunal de Contas da União, parando obras. Olha, nós fomos Prefeitos juntos, eu nunca tinha ouvido falar nisso. Depois, eu governei o Estado, e havia muito dinheiro de obras federais. V. Exª ajudou, era Líder do Governo Fernando Henrique Cardoso. Nunca houve uma paralisação de obra por intervenção do Tribunal de Contas da União. Agora, eles são useiros e vezeiros nisso, não é? O Deoclécio dizia é uma lástima.

O SR. HERÁCLITO FORTES (DEM - PI) - É verdade.

O SR. PRESIDENTE (Mão Santa - PMDB-PI) - E o Boris Casoy: “é uma vergonha”.

O SR. HERÁCLITO FORTES (DEM - PI) - V. Exª tem absoluta razão. Espero que o Tribunal de Contas enquadre os responsáveis e permita, o mais rapidamente possível, a retomada dessas obras, porque o Piauí precisa e o Piauí merece. O seu povo não pode pagar o preço da malversação cometida por maus administradores.

Muito obrigado.


Modelo1 5/22/194:02


<