Autor
Veneziano Vital do Rêgo (PSB - Partido Socialista Brasileiro/PB)
Data
23/10/2019
Casa
Senado Federal 
Tipo
Pela ordem 

    O SR. PRESIDENTE (Davi Alcolumbre. Bloco Parlamentar Vanguarda/DEM - AP) – Senador Veneziano Vital.

    O SR. VENEZIANO VITAL DO RÊGO (Bloco Parlamentar Senado Independente/PSB - PB. Pela ordem.) – Presidente, serei bem rápido, até porque não são cabíveis mais falas que pretendam discutir o tema. O fato está consumado.

    Eu quero saudá-lo, porque efetivamente as falas que levam, à unanimidade, menções congratulatórias à sua postura, ao seu comportamento são mais do que merecidas, não são elogios vazios, não são falas protocolares, muito longe de falas para agradá-lo.

    Mas, sem sombra de dúvidas, a sua postura, o seu comportamento, a sua disposição de fazer com que o Senado Federal possa estar – como de fato está – reconhecidamente produzindo nesses dez meses não é mais uma surpresa. Então, as minhas saudações.

    As minhas saudações ao Líder Fernando Bezerra, que há de compreender os motivos que nos levam a descrer. Mas saiba, meu conterrâneo Fernando Bezerra, nem eu nem o Senador Paim, nenhum dos 19 que se opuseram a esta reforma como ela se apresentou, nenhum de nós terá o direito de torcer para que ela não venha a dar certo. Não é isso.

    Nós estamos torcendo, meu irmão, companheiro Darcísio Perondi, companheiro Deputado Federal, para que dê certo. Apenas temos razões para descrer, até em face de acontecimentos. Os tambores, as trombetas ressoam, e os nossos ouvidos fazem questão de não ouvir aquilo que, ao nosso derredor, à nossa vizinhança, está a ocorrer.

    Meu companheiro, Senador Marcelo Castro, que tanto nos merece, Deputado Darcísio Perondi dizia que nenhum outro país deixou de fazer ou está por fazer. Eu só venho a complementar, Senador Paim, e Líder, Eduardo Gomes, que, inclusive, alguns desses países que fizeram, entre os quais o Chile, mencionado como uma das referências exitosas, que está revisitando, revendo, a ponto de um pacote de sugestões adotadas ou anunciadas por S. Exa. o Presidente da República Piñera aumentar 20% das aposentadorias... Eu não quero. Nenhum de nós quer ver isso no País, Senador Paulo Paim, mas não podemos deixar de fazer esses registros.

    Foi um debate. É claro que muito daquilo que nós gostaríamos de ter trazido e ser suficientemente convincentes para levar o Plenário a entender – são situações que vão desde a DRU, que passam por outras que não foram aqui trazidas... Mas este não é o momento. É o momento para que nós cumprimentemos a linha adotada, a condução que V. Exa. deu. Torcemos para que dê certo efetivamente, sem perdas do pleno convencimento do voto que nós demos.

    Aproveito, até em razão de V. Exa. estar se preparando para assumir o posto que levará brilho a mais ao seu currículo, como Presidente da República, para saudar o meu professor, ao nosso professor Paulo Paim. Tudo que foi dito aqui, Senador Paulo Paim, é pouco diante da envergadura e da sua verticalidade. No episódio de ontem, a sua fala cadente, forte, trazendo uma preocupação e a identificando – e, logo em seguida, alcançada pelo Senador Eduardo Braga –, foi fundamental para que hoje, de maneira consensualizada e muito amadurecida, nós fizéssemos essas correções.

    E finalizo para saudar o Eduardo Gomes. Senador, não me cabe, até porque não integro o Governo, mas não tenho dúvida alguma de que V. Exa. poderá dar um encaminhamento, um direcionamento a manter essas relações, que sejam amistosas. V. Exa. não se deixa levar por holofotes, V. Exa. não se deixa motivar senão pelo propósito de poder colaborar. Tenho certeza de que teremos, como temos outros companheiros que fazem, essa interlocução sadia e comprometida com as questões que nós desejamos aqui no Senado, à frente da Liderança do Governo.

    Então, a todos os meus cumprimentos, minhas saudações; e a renovação aos que nos acompanharam nos motivos que nos levaram a votar contrariamente a esta matéria como ela foi posta.