Autor
Veneziano Vital do Rêgo (PSB - Partido Socialista Brasileiro/PB)
Data
10/12/2019
Casa
Senado Federal 
Tipo
Fala da Presidência 

    O SR. PRESIDENTE (Veneziano Vital do Rêgo. Bloco Parlamentar Senado Independente/PSB - PB) – Obrigado ao Senador Styvenson Valentim, que fez a leitura da mensagem do Senador Presidente do Congresso Nacional, do Senado Federal Davi Alcolumbre, por força de outros compromissos, não pôde aqui estar, mas registrou-nos pessoalmente e, através da leitura que fora feita neste instante, a alegria de poder fazer parte deste momento na condição de Presidente, tendo esta Casa instituído esta Comenda Zilda Arns e termos nós, companheiros Senadores, a honra maior de estarmos fazendo a primeira edição, ou seja, a primeira edição de entrega é exatamente nesta manhã para nós muito honrosa.

    A sessão destinada à entrega da Comenda Zilda Arns, como disse, instituída por intermédio da Resolução nº 21, de 2017, com o objetivo de agraciar pessoas ou instituições que desenvolvam no Brasil ações e atividades destinadas à proteção da criança e do adolescente.

    Este ano, estão sendo homenageadas as seguintes personalidades e instituições, já mencionadas pelo Senador Styvenson Valentim: A Sra. Alice Thümmel Kuerten, Diretora do Instituto Guga Kuerten, por suas inúmeras atividades em prol dos deficientes físicos.

    A propósito quero de já convidar o Senador Esperidião Amin, que integra o conselho, e teve uma das suas sugestões acolhidas. Se V. Exa. puder ladear-nos para honrar a presença à Mesa, muito nós gostaríamos, como catarinense que o é, afinal de contas, a própria senhora que leva o nome da Comenda é filha da nossa Santa Catarina.

(Intervenção fora do microfone.)

    O SR. PRESIDENTE (Veneziano Vital do Rêgo. Bloco Parlamentar Senado Independente/PSB - PB) – A Associação de Diabetes Infantil, de Belo Horizonte, Minas Gerais, reconhecida pelo excelente atendimento em orientação e apoio prestado às crianças com diabetes;

    - Casa Azul Felipe Augusto, que busca promover a inclusão social e o empoderamento de crianças, jovens e de suas famílias no Distrito Federal;

    - Querida Catedral de Nossa Senhora da Conceição, da nossa amada Campina Grande, na Paraíba, que acaba de completar 250 anos de inúmeros serviços assistenciais em prol da criança e do adolescente – seja bem-vindo, nosso Rev. Pe. Luciano;

    - Divaldo Pereira Franco, médium e orador espírita, fundador do Centro Espírita Caminho da Redenção e da Mansão do Caminho, instituições que atendem à comunidade do bairro de Pau da Lima, em Salvador, Bahia, beneficiando milhares de doentes e necessitados;

    - Dra. Evanguelia Kotzias Atherino dos Santos – mil desculpas pela incapacidade que tive de fazer a leitura, não me pronunciando bem, Senador Esperidião Amin –, fundadora do Laboratório de Pesquisa em Enfermagem na Saúde da Mulher e do Recém-Nascido da Universidade Federal de Santa Catarina, que, há 14 anos, contribui com a produção e disseminação de conhecimento para a melhoria da saúde da mulher, do recém-nascido e da criança;

    - Hospital Pequeno Príncipe, maior hospital pediátrico do Brasil, que, em outubro passado, completou 100 anos de existência, período no qual se tornou referência no cuidado prestado a crianças e a adolescentes de todo o País;

    - Dr. José Antônio Borges Pereira, Procurador-Geral de Justiça do Estado de Mato Grosso, possuidor, Senador Jayme Campos, de destacada atuação nas Promotorias de Justiça de Defesa da Criança e do Adolescente;

    - Miguel Antônio Orlandi, teólogo e mestre em Ciências Sociais, atua nos campos religioso, social e político buscando a transformação social de crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade;

    - Núcleo de Amparo ao Menor, entidade que teve a sugestão do Senador Styvenson Valentim e que foi acolhida pelo conselho, instituição sem fins lucrativos sediada em Natal, Rio Grande do Norte, onde atende mais de 550 alunos nas áreas de educação, esporte, música, informática e cursos profissionalizantes; e por fim

    - Dra. Tania Mara Garib, cirurgiã-dentista, mestra em Odontopediatria, Diretora de Proteção Social Básica do Ministério da Cidadania, presença destacada na defesa de políticas públicas para a criança, adolescente e juventude.

    Ao conceder a Comenda Zilda Arns, o Senado Federal reconhece publicamente o trabalho de pessoas e organizações que dão continuidade ao meritório e reconhecido trabalho realizado por esta grande brasileira Dra. Zilda Arns, exemplo que precisa frutificar todos os dias em nosso País, tão carente de iniciativas em prol das nossas crianças e dos nossos adolescentes, meu querido campeão Guga Kuerten.

    Zilda Arns Neumann foi um exemplo de vida e de doação aos menos favorecidos, em especial às crianças e aos jovens, Senador Flávio Arns.

    Nascida em Forquilhinha, Santa Catarina, no dia 25 de agosto de 1934, filha do casal brasileiro de origem alemã, Gabriel Arns e Helene Steiner, desde a mais tenra idade já nutria o desejo de se dedicar aos mais necessitados, tanto que planejava ser freira para trabalhar como missionária na África. Contudo, optou por fazer o curso de Medicina, porque concluiu que as pessoas a quem ajudaria tinham muitas doenças, e ela seria muito mais útil se soubesse curá-las também.

    Assim, em 1959, ela se forma em Medicina, numa época em que a profissão era vista como essencialmente masculina. Mas, corajosamente, venceu todas as resistências. Aprofundou-se em saúde pública, pediatria e sanitarismo, visando a salvar crianças pobres da mortalidade infantil, da desnutrição e da violência em seu contexto familiar e comunitário. Para ela, a Dra. Zilda Arns, a educação era a melhor forma de combater a maior parte das doenças de fácil prevenção, bem como a marginalidade de crianças e adolescentes. Assim, desenvolveu uma metodologia própria de multiplicação do saber e da solidariedade entre as famílias mais pobres, baseando-se no milagre bíblico da multiplicação dos pães e peixes.

    Sua prática diária como médica pediatra do Hospital de Crianças César Pernetta, em Curitiba, e, mais tarde, como diretora de saúde materno-infantil da Secretaria de Saúde do Estado do Paraná, lhe rendeu um convite, pelo Governo do Estado do Paraná, para coordenar a campanha de vacinação Sabin, a fim de combater a primeira epidemia de poliomielite, que começou em União da Vitória, em 1980, criando um método próprio, depois adotado pelo Ministério da Saúde. No mesmo ano, foi também convidada a dirigir o departamento materno-infantil da Secretaria da Saúde do Paraná, quando, então, instituiu com extraordinário sucesso os programas de planejamento familiar, prevenção do câncer ginecológico, saúde escolar e aleitamento materno.

    Em 1983, a pedido da nossa CNBB, criou a Pastoral da Criança juntamente com o então Presidente da entidade, D. Geraldo Majella Agnelo, atual Arcebispo Emérito da Arquidiocese de Salvador, que, à época, era Arcebispo de Londrina. Até 2008, após 25 anos de existência, a pastoral já tinha acompanhado quase 2 milhões de crianças menores de seis anos e 1,5 milhão de famílias pobres em 4.060 Municípios brasileiros. Nesse período, mais de 260 mil voluntários levaram solidariedade e conhecimento sobre saúde, nutrição, educação e cidadania para todas essas comunidades mais pobres, criando condições para que elas se tornem protagonistas de sua própria transformação social.

    Além de sua intensa dedicação ao amparo de crianças e adolescentes menos favorecidos, Dra. Zilda Arns ainda encontrou tempo para abraçar uma outra causa não menos meritória: a atenção ao idoso. Em 2004, recebeu da CNBB, Senador Jorginho Mello, novamente, outra importante missão: fundar e coordenar a Pastoral da Pessoa Idosa, entidade que, atualmente, promove o acompanhamento mensal de mais de cem mil idosos, pelo intermédio de 12 mil voluntários, em 579 Municípios, de 25 Estados brasileiros.

    Assim, Dra. Zilda Arns dividia todo o seu tempo entre os diversos compromissos como coordenadora nacional da Pastoral da Pessoa Idosa e coordenadora internacional da Pastoral da Criança, além de sua participação como representante titular da CNBB no Conselho Nacional de Saúde, e como membro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES).

    Em 2001, 2002, 2003 e 2005, a Pastoral da Criança foi indicada pelo Governo Brasileiro ao Prêmio Nobel da Paz. Em 2006, a Dra. Zilda foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz, junto com outras 999 mulheres de todo o mundo selecionadas pelo Projeto 1.000 Mulheres, da associação suíça 1.000 Mulheres para o Prêmio Nobel da Paz.

    Lamentavelmente – lamentavelmente mesmo –, no dia 12 de janeiro de 2010, quando terminava de proferir uma palestra em Porto Príncipe, no Haiti, teve sua vida repentinamente ceifada em um violento terremoto que sacudiu aquele país caribenho. Foi uma perda irreparável para todos nós brasileiros, que vemos na Dra. Zilda Arns um exemplo de dedicação e de amor ao próximo, sobretudo aos mais frágeis. Suas ações demonstram que para fazer o bem bastam boa vontade e o firme desejo do servir.

    Ao instituir a Comenda Zilda Arns, em 2017, o Senado Federal reconheceu o relevo e o significado do trabalho realizado por essa notável brasileira que, com determinação, ousadia e espírito público, dedicou sua vida em prol das crianças, dos adolescentes e dos idosos.

    Em meu nome, e em nome de todos os companheiros que me ladeiam nesta Casa, quero aqui registrar os nossos sinceros e francos parabéns a todos os que agora são agraciados com a Comenda Zilda Arns.

    Muito obrigado. (Palmas.)

    Eu fui orientado – estou sendo orientado aqui –, claro, para que nós tenhamos a oportunidade de ouvir os nossos companheiros Senadores. Da direita para a esquerda, passarei a palavra ao querido Senador Flávio Arns, que tem mais do que nós sobejas razões de estar emocionado por força de se tratar da senhora sua tia, Dra. Zilda Arns.

    Com a palavra o querido Senador Flávio.